domingo, 17 de maio de 2015

Vice City Stories - Parte 4

Após dois dias sem muita ação, Vic recebe uma mensagem em seu pager. Era sua tia Enid, que dizia: “Seu irmão tem entrado em contato? Ele não tem feito as tarefas dele. De novo...”. Não havia nenhuma novidade ali. Lance era um caso perdido. A última pessoa que Vic queria ter ao seu lado como parceiro era seu irmão. Ele não deu muita bola para essa mensagem, que faria muito sentido em alguns dias.

Eram duas da tarde e Vic decidiu visitar Marty e Louise. Quem sabe eles não teriam algum serviço para ele. Quando chegou aos trailers, Vic ouviu uma música alta vindo do trailer de Marty. Quando chegou à porta, ficou paralisado. Louise estava esplêndida em roupas de ginástica malhando em frente à televisão, onde havia um vídeo de aeróbica rolando. Ao ver a cena, Vic finge não ter ficado chocado e dá gargalhadas:

 Hahaha! E aí, Louise!

 Ei, Vic! Como você está? – Louise se anima ao ver o amigo.

 Melhor agora... – diz Vic.

 Ótimo! – Louise diz, indo desligar a televisão.

 Não, não para. Estou esperando Marty... – diz Vic.

 Não, é bom conversar com alguém. Então, Phil disse que você estava no Exército... – Louise puxa assunto.

 Sim, mas eu arruinei tudo... – Vic se lamenta.

 Nós dois então! – diz Louise.

Nesse momento, Marty chega ao trailer e quando olha para Louise, fala:

 Que merda, mulher! Se você for ficar se vestindo igual a uma puta, eu vou te largar!

 Eu estava fazendo minha aeróbica, Marty! Pelo amor de Deus, me dá um tempo! – grita Louise, que vai de cabeça baixa para o seu quarto.

 Eu vou! Vou dar um tempo para você ficar sem respirar! Olha como você fala na porra da minha casa! – grita Marty.

 Desculpa! – grita Louise de dentro de seu quarto, o que faz sua pequena filha chorar.

 Agora olha o que você fez! Sua imbecil! Jesus, mulher! – grita novamente Marty, ao ver o bebê chorando.

Ao perceber que Vic estava ali, Marty pergunta como ele está. Vic responde que estava lá porque Marty havia falado que talvez devesse ter mais trabalho para ele.

 Sim, sim, claro. Tenho algumas pessoas me devendo que devem começar a me pagar... – diz Marty, já irritado com o choro contínuo do bebê – Ahhhh, se você não calar a boca desse rato, mulher, eu vou!

 Vai se ferrar, Marty! Você não passa de um caipira desgraçado de merda! – Louise sai chorando do quarto.

 É melhor você olhar essa boca, sua vagabunda, senão vou arrancar todos os dentes dela! – Marty ameaça.

 Chega! Estou pegando meu bebê e estou indo morar com a minha irmã! – Louise explode, chorando.

 Ótimo! Pode ir! Vai logo! – Marty não se importa, vira para Vic e diz – Essa irmã porca gorda dela. Vou quebrar ela também! Vamos embora daqui!

Ao sair do trailer, Marty entrega uma lista para Vic dizendo que aquelas eram coisas que estavam precisando voltar para as mãos dele. Marty diz que acha que Vic não tem bolas o suficiente para recuperar tudo na lista e pede para ex-soldado provar que ele estava errado. O primeiro item da lista era um Cheetah bege que estava na casa ao lado da que Vic estava morando. Foi fácil. Vic foi a pé até lá e roubou o carro. O deixou em um escritório de Marty próximo aos trailers. O segundo item da lista era outro carro, dessa vez um pequeno caminhão que estava a serviço de uma loja de roupas de um bairro não muito distante. Vic pegou um carro que estava próximo ao escritório e foi até a loja, onde havia dois homens em frente ao caminhão estacionado. Ele simplesmente passou por cima dos dois homens e levou o caminhão novamente ao escritório. Quando chega lá, Vic encontra Marty, que grita para um de seus parceiros de gangue:

 Ei, tira esse caminhão daqui!

 Por que eu tenho a impressão de que nenhum desses débitos eram verdadeiros? – Vic pergunta, desconfiando das intenções do parceiro.

 O que eu digo que é meu, é meu. E tudo que eu digo procede. Se você quer continuar por aqui, você tem que aprender isso, garoto... – Marty se impõe.

Vic fica calado e recebe quinhentos dólares de Marty, que nem olha para sua cara, nervoso por Vic ter o questionado. A relação já não era a mesma. Ainda por cima, assim que estava voltando para casa a pé, Vic recebe uma mensagem em seu pager de Louise: “Apareça, se você tiver tempo...”. Quando chega em casa, Vic percebe um papel embaixo de sua porta, nele continha o endereço do apartamento da irmã de Louise, que ficava em frente à praia, no bairro de Little Haiti.

A noite cai e Vic faz seu caminho de moto até o prédio onde Louise estava. Chegando lá, toca o interfone e Louise atende. A felicidade era evidente na recepção da garota ao abrir a portaria do prédio. Vic sobe as escadas e a porta do apartamento está aberta.

 Ei, Louise... – diz Vic ao ver Louise dando mamadeira para a pequena Mary Beth no sofá.

– Ei, Vic. Como você está? – pergunta Louise.

 Melhorando... – Vic responde.

 Que bom... – diz Louise.

 Ei, neném, hehehe... – Vic toca as bochechas do bebê de Louise.

 Você merece coisas boas, querido! – Louise diz, olhando nos olhos de Vic.

 É... Talvez... – responde Vic.

 Melhor do que essa merda... – diz Louise.

 Ei, por favor... – Vic se senta ao sofá, ao lado de Louise – O que aconteceu?

 Nada... – diz Louise, começando a chorar – Tudo. É tudo uma merda! Eu sou uma porra de uma bagunça. Não terminei o ensino médio. Tive uma filha de um escroto de merda. Estou vivendo à custa da minha irmã. Sem esperança...

 Qual é, você está apenas passando por uma fase ruim. As coisas vão melhorar. Você vai ver... – Vic tenta animar Louise.

 Me mostra um jeito. Me mostra uma porra de um jeito! – Louise chora.

 Eu não sei. Pensa nisso dessa forma: eu fui chutado do Exército, agora estou trabalhando com vermes, roubando pessoas, tudo para pagar as contas médicas do meu irmão. Enquanto isso, minha mãe rouba metade do dinheiro que eu mando. Eu não sou a pessoa certa para se pedir conselhos... – Vic mostra uma incrível sinceridade.

 Olha para nós. Que dupla! – Louise sorri, ainda com lágrimas no rosto.

 Patético, né? – Vic também está sorrindo.

 Pior que patético, hahaha! – Louise olha para seu bebê enquanto ri.

 Você não quer sair? Talvez pegar um ar fresco? Se divertir um pouco... – Vic propõe a Louise, buscando fazê-la ficar melhor.

 Claro, pode ser legal! – responde Louise – Ah é, Phil disse que iria acontecer uma corrida de quadriciclos lá nos trailers!

 Taí, ótimo! Quadriciclos sob o luar! Vamos lá! – Vic se empolga.

Louise deixa sua filha para ser cuidada no quarto de sua irmã e avisa a ela que irá sair.  Vic se apronta para levá-la de moto até os trailers onde ela morava com Marty, o que a deixa um pouco tensa, mas não tanto, pois Louise era uma mulher forte e decidida. No caminho, Vic pergunta:

 Não tem problema você deixar a menina com a sua irmã?

 Não, ela vai ficar bem. Estou precisando me divertir um pouco! – diz Louise.

Chegando aos trailers, Vic e Louise encontram alguns caipiras da gangue de Marty, que não estava lá. Eles preparavam seus quadriciclos e oferecem dois a Vic e Louise para participarem da corrida. Eles aceitam e vão para a linha de largada. Louise alerta:

 Boa sorte, Vic! Você vai precisar...

A corrida vai até o aeroporto e termina no mesmo lugar. Vic mostra uma habilidade impressionante com quadriciclos, muito pela prática que teve com esses veículos no Exército, e vence facilmente a corrida. Louise chega por último.

 Foi ótimo! Me diverti bastante! – Louise vai correndo em direção à Vic assim que sai de seu quadriciclo.

 É bom ouvir isso, Louise! – diz Vic, com um sorriso no rosto – Mas, err, estou um pouco preocupado com o seu bebê.

 Mary Beth? Ela vai ficar bem. Mas talvez eu devesse voltar mesmo... – diz Louise, olhando para a rua, provavelmente procurando por algum táxi próximo.

 Ei, eu te levo! – Vic percebe.

 Não precisa. Está tudo bem. Vê se me liga alguma hora, Vic Vance... – diz sensualmente Louise, indo em direção a um táxi que estava estacionado do outro lado da rua.

Vic pensou que aquela era uma mulher que sabia se cuidar e a deixou ir. Logo após, foi até um dos caipiras de Marty e recebeu quinhentos dólares como prêmio. Já eram duas da manhã, era hora de ir embora.

6 comentários:

  1. Muito bom! Adoro esse game. Enredo, soundtrack, sistema de impérios, protagonista.. certamente um dos meus gtas prediletos. Espero um dia poder voltar a jogar ele.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Adoro esse game. Enredo, soundtrack, sistema de impérios, protagonista.. certamente um dos meus gtas prediletos. Espero um dia poder voltar a jogar ele.

    ResponderExcluir
  3. sério, eu teria preguiça até de escrever em que cidade se passa o GTA Vice City, muito bom velho!

    ResponderExcluir
  4. O trabalho esta otimo sem palavras para descrever

    ResponderExcluir
  5. perfect! so um errinho de portugues na frase:"– Boa sorte, Vic! Voce vão precisar..."
    mas tirando isso ficou Otimo ;)

    ResponderExcluir