sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Vice City Stories - Parte 20


No fim de semana, Vic visita Gonzalez em seu luxuoso apartamento. O traficante está tomando sol junto com uma garota de biquíni na piscina. O sol era forte naquela tarde de sábado.

 Ah, Vic, meu amigo! – diz Gonzalez ao ver Vic passar pela porta – Tenho uma pequena negociação precisando de um... Toque sensível.

 Sensível? – Vic pergunta.

 Vamos dizer que meu chefe não sabe disso, hehe, ou meus homens, se precisar... – Gonzalez diz.

 Deixa eu adivinhar, você pegou a cocaína do seu coronel para fazer um pé-de-meia... – Vic afirma o que já desconfiava desde o primeiro encontro entre os dois.

 Shhh, Vic, por favor! – Gonzalez se incomoda – Além do mais, aqui é a Terra da Oportunidade!

 Eu não me interesso sobre quem você rouba, Gonzalez, contanto que não seja eu... – Vic desdenha.

 Bueno! As drogas estão em Ocean Beach. Leve elas para o acordo em Washington! – Gonzalez encerra.

Vic já sabia onde ficava o esconderijo de drogas. Ele vai até um depósito de Gonzalez. Lá há vários homens que trabalham para ele. Vic é informado sobre onde aconteceria o acordo e entra em uma van carregada para ir até o local. O combinado era às cinco da tarde. Bastava Vic aguardar com a van que os compradores se aproximariam. Ele chega lá às quatro e cinquenta e três e estaciona em um beco. Era só aguardar. Sua metralhadora repousava no banco do carona, afinal, qualquer coisa pode acontecer nesses momentos. Às cinco em ponto, um caminhão passa na rua lateral. Era uma rua estreita, caminhões não passavam ali. Vic desconfia e já pega sua metralhadora. De repente, o caminhão entra com tudo no beco onde Vic estava e bate muito forte na dianteira da pequena van. A porta de trás se abre e os pacotes com cocaína são jogados para o ar e estouram no chão, espalhando todo o pó branco. Vic desmaia com o impacto. Dois homens saem do caminhão, ambos bem arrumados. Um deles está irritado e diz:

 Você bateu na van muito forte, as drogas já eram! Tem mais nesse cara do que na traseira!

 Para de gritar! Vamos levar logo essa merda para a festa em Starfish! Temos vagabundas nos esperando! – o outro homem responde.

Os homens recolhem a cocaína que sobrou na traseira da van, colocam no caminhão e vão embora dali. Vic fica desmaiado dentro da van vazia por quase uma hora. Como a batida foi dentro de um beco, o barulho não chegou muito alto na rua, portanto pessoas não se aproximaram. Vic finalmente acorda e olha ao redor. Ele vê que a droga havia sumido e que não tinha nenhum dinheiro. Quando se lembra do que aconteceu, sua cabeça dói. Ele estava enxergando tudo embaçado e lento, parecia estar bêbado. Seu pager estava com a luz vermelha de mensagem não-lida acesa, então Vic vê que Gonzalez havia deixado uma mensagem havia vinte e cinco minutos dizendo: “Por que está demorando tanto? Ligue para mim, rápido!”. Vic não entendia nada. Só sabia que havia sido vítima de um atentando e roubo. A pista que ele tinha era o caminhão e um vislumbre de quem o dirigia. Ele vai para a rua e vê um telefone público. Após ficar com a cabeça baixa por aproximadamente dez segundos, liga a cobrar para Gonzalez.

 Gonzalez, fomos atingidos... As drogas... Foram embora... – Vic tem muita dificuldade para falar.

 O que!? Você está tentando me foder!? – Gonzalez fica extremamente irritado.

 Não. Não... Estou... – Vic novamente quase não consegue terminar uma frase.

 O que você tem? Você está louco com a minha droga? – Gonzalez percebe a voz alterada de Vic.

 Não! – Vic responde, mas nesse momento percebe que poderia estar daquele jeito por conta da cocaína no carro, afinal ele acordou coberto de pó dentro da van – Sim... Eu devo ter respirado o pó enquanto estava desmaiado...

 Eu quero minhas drogas de volta, Vic! Eu ainda tenho um comprador que pode estar interessado, mas ele está deixando a cidade daqui a pouco, às dez! Mate os desgraçados que fizeram isso e leve a droga de volta para o meu depósito! – Gonzalez desliga o telefone na cara de Vic.

 Eles vão pagar... – Vic diz ainda pensando que Gonzalez estava na linha.

Vic tinha que levar a droga de volta para o depósito de Gonzalez até as dez. Ainda eram seis da tarde. Havia tempo, mas quando não se tem ideia de quem procurar, isso fica um pouco mais difícil. Ele não podia perder tempo, então se vê obrigado a roubar um carro, coisa que não fazia há muito tempo. Vic aponta a metralhadora, que ficou jogada nos fundos da van, para uma senhora dirigindo um Manana verde, que logo entrega o carro. Vic dirigia em ziguezague por conta do efeito da cocaína, sem saber para onde ir. De repente, ele se lembra de uma voz masculina falando “Starfish!”. Era a lembrança de ter ouvido inconscientemente quem o roubou, mas Vic não sabia disso. Ele decide ir para Starfish Island, pois pelo menos era uma direção a se tomar. Como a ilha tinha poucas casas e todas tinham quintais abertos, sem muros, ficaria fácil ver se havia alguma festa acontecendo por lá, pois, naquela época em Vice City, festas eram sinônimo de drogas. Vic vê uma festa acontecendo com várias pessoas dançando e, de longe, vê o caminhão estacionado dentro da casa. Agora tudo havia ficado muito fácil: Vic tinha praticamente três horas para pegar aquela droga de volta e levar para Gonzalez. Ele estaciona o Manana em frente à casa e entra sorrateiramente. Várias pessoas dançavam e algumas estavam sentadas no chão, já detonadas pelas drogas, e a noite nem havia começado direito. Vic percebe que existe uma van estacionada no quintal com as portas traseiras abertas e dentro vários pacotes de cocaína abertos, prontos para quem quisesse cheirar. Vic, mesmo drogado, tem a ideia de roubar a van com toda aquela droga, que com certeza era a de Gonzalez, ou pelo menos parte dela. Ele se aproxima de uma mulher que estava dançando sozinha e começa a dançar junto, se movendo com a cabeça abaixada para perto da van, pois já havia detectado o homem que viu no vislumbre do caminhão antes de ser atingido. Vic finalmente chega ao lado da van e larga a mulher, que continua dançando sozinha. A chave estava na ignição, perfeito. Naquele momento, havia alguns drogados cheirando a droga na traseira da van e isso atrapalharia a fuga. Vic não tinha escolha: tira sua metralhadora da camisa e abre fogo contra os drogados e contra o homem que reconheceu. A correria no quintal da mansão é alucinante. Vic rodeia a van, fechando a porta traseira sem dar as costas, pois mais alguém poderia estar armado, mas ninguém mais estava. Vic entra na van e sai dirigindo ainda sob efeito de cocaína, batendo em muretas, mas consegue sair da casa e voar baixo pela ponte que levava de volta a Ocean Beach. Em pouco tempo, ele já estava com a van estacionada em frente ao depósito de Gonzalez, que inclusive estava lá esperando:

 Bem, pelo menos você recuperou a minha mercadoria. Mas para nossa amizade... Eu acho que é o fim! Adiós! – Gonzalez afirma.

Apesar de ter dito isso, Gonzalez não parecia tão certo sobre cortar relações com Vic. Talvez por ele até ser um cara legal, talvez por medo de que Vic se voltasse contra ele (coisa que poderia acontecer mesmo com a melhor amizade do mundo em Vice City). Ele entrega mil dólares a Vic por ter recuperado a droga. Vic apenas pega o dinheiro, espera os homens de Gonzalez retirarem a droga, vira as costas, entra na van e vai embora. Gonzalez entra em seu depósito, pensativo.

Vic vai até seu apartamento próximo à casa de Lance. Como a droga ainda fazia efeito, ele se deita na cama por algumas horas. Quando o relógio marca dez da noite, ele se levanta. Algo o diz para ir à casa de Lance, ele tem a sensação de que seu irmão corria perigo. Vic vai até a casa de Lance e de fora ouve uma música bem alta vindo da sala, ele nunca havia visto aquilo acontecendo lá. Por mais que Lance fosse extravagante, ele tentava manter sua casa fora de suspeitas. Ao entrar na casa, Vic vê seu irmão dançando sozinho e gritando ao lado de um saco de cocaína aberto em uma mesa:

 É isso aí, baby! Essa é a Lance Vance Dance! Você-vai-detonar! Você-vai-demolir! Yeah! Uhu!

 Então é para aí que a cocaína está indo? – Vic desliga o som e diz – Para o seu nariz?

 Ei, Vic!? – Lance se surpreende com o irmão ali e fica quase em pânico – O que você está fazendo aqui!?

 Você me faz rodar a cidade feito um psicopata, e enquanto isso está usando essa merda toda para consumo próprio! Você é inacreditável! – Vic responde.

 Ei, me desculpe! – Lance diz e fica olhando para os lados, ainda em pânico – Olha, a gente pode falar disso depois?

Nesse momento, Louise sai da cozinha e encontra os dois irmãos na sala. Esse era o motivo do desespero de Lance.

 Oh! Ei, Vic... Nossa... – Louise fica completamente sem graça.

 Louise!? Que porra está acontecendo? – Vic está completamente surpreso.

 Bem, err... Err... Mano... – Lance simplesmente não sabe o que falar – Ei, mano! Não é nada disso que você está pensando!

 Eu não faria isso com você! Eu só precisava de alguma coisa para tirar as merdas da minha cabeça... – Louise diz a Vic.

 E aí você vem foder com o meu irmão!? – Vic é direto.

 NÃO! – Lance e Louise dizem juntos.

 A gente só está ficando chapados juntos! Pelo amor de Deus, você é muito julgador, como se você fosse uma merda de um santo ou alguma coisa assim! – Louise se irrita – Por que você está sendo idiota assim?

 Você é um lixo! – Vic aponta para Louise.

 E você é maravilhoso... – Louise ironiza – Um maravilhoso traficante ladrão e assassino!

 Por favor, gente... – Lance percebe o peso da discussão e tenta acalmar as coisas.

 Eu estava fazendo isso por nós! – Vic diz a Louise.

 Quem você está querendo enganar? Você não dá a mínima para mim! – Louise responde, quase começando a chorar.

 Agora eu não dou mesmo! – Vic grita.

 Sabe de uma coisa? Você me faz querer vomitar, seu escroto egoísta! – Louise já chora.

 Aah! Some daqui! – Vic se cansa.

 Fique longe de mim, seu doente desgraçado! Você é uma piada, Vic Vance! – Louise diz e vai embora.

 O que você vai fazer? – Lance pergunta ao irmão, após Louise bater a porta.

 MUITO OBRIGADO, LANCE! – Vic explode.

 O que!? Olha só, quem se importa? A cocaína é MINHA! Toda minha! E eu faço o que eu quiser com ela! – Lance diz e vai em direção a seu helicóptero, onde estava uma grande quantidade de cocaína.

 Lance, volta aqui! – Vic diz.

 Cala a boca! Você sempre está me falando o que fazer. Mas se não fosse por mim, você não teria nada disso! – Lance entra no helicóptero e tranca a porta – Se eu quiser cheirar cocaína, EU VOU! Se eu quiser dar essa merda, EU VOU!  E vou dar essa merda mesmo! Tudo! E você não pode me impedir!

 Lance! Não seja estúpido! – Vic grita, batendo na janela do helicóptero.

Lance dá partida no helicóptero e levanta voo em direção ao mar. Lá de cima, começa a jogar os pacotes de cocaína. Vic não podia deixar a fonte de renda dos irmãos ir embora por loucura de um deles. Ele sobe na lancha de Lance, que ficava no píer atrás da casa, e vai atrás do helicóptero, a fim de não deixar os pacotes jogados por Lance afundarem no mar. Vic consegue pegar alguns pacotes, mas perde vários. Lance leva o helicóptero para o meio da cidade e continua jogando pacotes de cocaína, não havia nada que Vic pudesse fazer. O prejuízo era incalculável. A única coisa que restava a Vic era juntar a cocaína que recuperou e levar para uma de suas casas.

Durante a madrugada, Vic recebe uma mensagem em seu pager. Era Martínez. Rapidamente Vic abriu o texto e viu “Ei, Vic! Eu estou de volta à cidade! Como vai aquela sua garota? Talvez eu faça uma visitinha a ela...”. Vic congelou. Ele sabia das merdas que Martínez poderia o envolver, mas envolver quem não tinha nada a ver, e ainda mais Louise, era demais. Mesmo após ter brigado feio com ela há poucas horas, o amor que existia por ela em Vic era imenso. Martínez definitivamente cavou sua própria sepultura. 

Um comentário:

  1. "Além do mais, aqui é a Terra da Oportunidade!" Pensei que fosse Liberty City hee

    ResponderExcluir