terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Vice City - Parte 16


Após alguns dias descansando, Tommy recebe uma nova mensagem de Kent Paul. Ele tinha um favor para pedir: 

“E aí, cara! Aqui é o Paulo de novo. Olha só, Tommy, esqueci de dizer que nós vamos precisar de uma força bruta extra para um show. Alguns seguranças. Tem uma gangue de motoqueiros liderada por Mitch Baker, isso daria uma ótima publicidade. Bem rock n’ roll, baby! Resolva isso para mim e eu te dou alguns ingressos para os bastidores do show, beleza?”.

Tommy já havia ouvido falar nesse tal Mitch Baker. Ele era um veterano da Guerra do Vietnã que sempre era preso na cidade por confusões, mas logo era sempre solto por causa de seu passado como soldado, pois havia ganhado um Coração Roxo, uma medalha militar dada a grandes feitos em guerras, pois Baker havia dizimado, sozinho, uma vila cheia de soldados vietnamitas. Comandava a Vice City Bikers, uma gangue de motoqueiros que era gigantesca na cidade com comércios de drogas, prostitutas, segurança, etc. Foram gigantes até Vic Vance assumir o controle de todos os domínios da gangue durante 1984 e 1985. Já no final de 1986, o que restava a eles era um pequeno bar chamado The Greasy Chopper, no centro da cidade.

Tommy vai até esse bar. Entra e vê vários homens de meia idade vestindo couro, capacetes, longos cabelos e barbas e muitas tatuagens. A maioria jogava sinuca no meio da fumaça de dezenas de cigarros acesos. O rock n’ roll que tocava no bar era muito alto, então Tommy se aproxima de um barman e pergunta sério, já que todos estavam olhando para ele:

 Onde está Baker?

O barman aponta para o homem que estava prestes a jogar na mesa de sinuca. Era um homem gordo, alto, careca na parte de cima, mas com longos cabelos na parte de baixo e longa barba castanhos. Tommy espera o homem jogar.

 Estou procurando pelo “grande” Mitch Baker... – Tommy grita.

 Quem está procurando? – o homem responde ainda vendo o final de sua tacada.

 Tommy Vercetti! – Tommy responde.

 Vercetti... – Baker faz uma longa pausa e olha para Tommy – Você não parece ser da polícia, então isso te dá um minuto. É melhor falar rápido.

 Kent Paul me disse que talvez você esteja interessado em fazer a segurança para um show que ele está preparando... – Tommy diz.

 Kent Paul? – Baker bufa com desprezo – Claro que foi ele que te mandou... A última vez que ele esteve aqui, ele apareceu naquela janela vestindo a frauda que colocaram nele quando ele nasceu.

 Você está interessado ou não? – Tommy se irrita.

 Nós só fazemos favores para nós mesmos... – Baker se prepara para sua próxima tacada.

 E como eu entro para o grupo? – Tommy pergunta.

 Isso aqui não é um clube de férias, garoto. Você sabe pilotar uma moto? – Baker pergunta.

 Você sabe sentar em um balcão e beber? – Tommy rebate.

 Cougar, Zeppelin! Vão ver como essa moça aqui pilota uma moto... – Baker chama seus parceiros para testar Tommy na rua.

Cougar e Zeppelin eram os dois melhores amigos de Mitch Baker. Pareciam gêmeos, ambos gordos, carecas e com as mesmas roupas e barbas. Eles saem do bar com Tommy, sobem em suas motos Angel e jogam a chave de outra estacionada na calçada para o novato. Ele liga a moto e todos se posicionam no meio da rua. E uma corrida começa.

 Beleza, playboy. Vamos ver o que você sabe fazer! – diz Zeppelin enquanto arranca com sua moto.

O trajeto combinado era ir até o extremo norte do centro da cidade e voltar. E Tommy facilmente chega à frente de todos, que olhavam incrédulos de longe em suas motos durante todo o trajeto. Parecia que o engomadinho, com roupas da moda, sabia pilotar uma moto mesmo. Ao chegarem ao The Greasy Chopper novamente, Cougar e Zeppelin entram e pedem para Tommy aguardar por alguns minutos. Logo ele é liberado a falar com Mitch Baker de novo.

 Peguei você de novo! – sorri Baker após vencer uma queda de braço, até que Tommy chega – Ei, Vercetti! Cougar me disse que você saber pilotar uma moto muito bem...

 Sim, quantas missões a mais eu vou ter que fazer? – Tommy se irrita – Eu sou um cara muito ocupado! Se for uma briga que vai decidir isso, então pode cair dentro!

 Ser um de nós não é só ficar por aí brigando. É fazer parte de uma família! – Baker responde.

 Ah, eu já fiz parte de uma família também uma vez, mas não deu muito certo... – Tommy diz e pede uma cerveja.

 Certo, mas essa família aqui cuida de si mesma. Nós não pedimos a um cara para fazer um trabalho sujo e o deixamos na merda por quinze anos. É isso mesmo, eu tenho feito meu dever de casa... – Baker aparentemente sabia da história de Tommy – Essa aqui é a maior família de deslocados, desordeiros e fodões! Porra, alguns de nós fomos traídos até pelo nosso próprio país!

 Eu estive preso durante o Vietnã. O negócio foi feio... – Tommy diz.

 É por isso que vou te pedir para ir contra o Estado! – Baker diz – Essa porra de país precisa de um chute no cu, e nós somos quem vai dar! Então vai lá para a rua, pegue uma moto e mostre para essa cidade o quanto você está puto!

 Beleza, beleza... – Tommy diz e sai.


O que Tommy tinha que fazer era instalar o caos em Vice City para que recuperasse todo o tempo perdido de se rebelar contra o país enquanto esteve preso na Guerra do Vietnã, que acabou em 1975. Assim talvez fosse digno de fazer parte dos Bikers. Cougar acompanha Tommy pela cidade enquanto ele passeava pelo centro atirando para cima pilotando a mesma Angel que disputou a corrida mais cedo. Tommy também atirava em carros estacionados, quebrando todos os vidros e em vitrines de lojas fechadas. Chegou até a atirar contra viaturas policiais em frente à delegacia. Cougar ficou impressionado com a frieza do italiano, claramente não sabia quem realmente Tommy era. Obviamente a polícia toda foi para o centro da cidade atrás do sociopata que estava destruindo tudo, mas Tommy foi ligeiro e se escondeu em um local seguro, deixou a moto, que todas as testemunhas viram, abandonada do outro lado da cidade e pegou um táxi rapidamente até a casa de Mercedes. Cougar voltou para o bar. Na casa de Mercedes, Tommy se escondeu daquela tarde até a noite, não sem antes pagar a dívida que tinha com a filha do coronel. Foi o brinquedo sexual da prostituta por horas, que realizou seu desejo de ter o italiano. À noite, ele pediu para Mercedes ir comprar roupas para ele sair sem ser reconhecido pelas roupas que usava durante o tiroteio, que foram queimadas no quintal da casa. Com roupas novas, Tommy volta para sua mansão em um novo táxi. Mas ainda eram dez da noite e a segurança do show da Love Fist ainda não havia sido fechada. O The Greasy Chopper novamente foi o destino.

 E aí, Mitch! – Tommy encontra Baker jogando pinball.

 Olha só, se não é o fodão Vercetti... – Baker diz ainda jogando – Agora eu quero ver se você é bom em lutar pelo seu território. Uma gangue aí da rua cometeu o erro de roubar a minha moto, provavelmente para se provarem machões ou algo assim. Eu e os caras iríamos até lá para ensinar uma lição para eles sobre respeito e tudo mais. De qualquer forma, eu acho que isso seria uma boa iniciação para você. Você recupera minha moto e já pode dizer para Paul que ele tem a segurança dele.

Tommy finalmente tinha a resposta que queria ouvir. Bastava recuperar a belezinha de Mitch Baker. Zeppelin diz onde a gangue ficava. Pela descrição, Tommy logo deduziu que eram os Sharks. Eles estavam com a moto de Baker em uma área atrás da Ammu-Nation ali do centro. Ao chegar lá, Tommy, com seu carro, vê que era impossível entrar, pois todos os portões eram altos e de ferro. A não ser se alguém usasse uma grande rampa de acesso a um prédio do outro lado da rua para chegar por cima da loja e chegar à base dos Sharks. E foi o que Tommy fez. Ele voltou até ao bar, pois em frente havia a Howlin’ Petes Biker Emporium, uma loja de motos esportivas. Tommy passa um cheque e compra uma PCJ-600, a moto mais rápida do mercado, só para realizar o que Baker queria. Deixa seu carro em frente ao The Greasy Chopper e vai com sua novíssima moto recuperar outra moto. Tommy vai pela reta da avenida principal do centro da cidade e sobe a rampa em altíssima velocidade, voando por cima da Ammu-Nation e caindo no topo da loja. A moto novinha de Tommy logo tem todos os seus amortecedores prejudicados por causa do grande impacto, mas não fazia mal, pois ele sairia dali com outra moto. Tommy desce as escadas de emergência e chega até a base dos Sharks. Dentro de sua camisa, claro, carregava várias pistolas carregadas. Mas aparentemente os Sharks estavam em algum outro lugar, pois só havia um deles vigiando a moto, assim como toda a base. Tommy atira de longe no homem que ficava próximo ao portão fechado. Dentro de uma das casas provisórias do local, está a Freeway de Baker exatamente como Zeppelin descreveu. Tommy se apressa e monta na moto, a liga com a chave que estava na ignição e sai em direção ao portão, sempre olhando para trás, cauteloso. Ele se aproxima do Shark morto com um tiro na cabeça e pega a chave do portão em seu bolso. Ao sair da base, Tommy olha ao redor entre faróis de carros naquela noite para verificar se não havia nenhum outro membro da gangue de tocaia, mas o caminho estava livre, provavelmente eles estavam participando de algum acordo, pois estavam muito necessitados.

Em alguns segundos, Tommy entrega a moto no bar, mas Baker já não estava mais lá. Zeppelin abre um sorriso quando vê Tommy chegando e assume o controle para levar a máquina até a casa de seu dono. Ele garante que tudo estava finalizado e a Love Fist teria uma ótima segurança em seu show. Tommy deixa um recado para Kent Paul dando as boas notícias. Assume seu carro de volta e vai para sua mansão em Starfish Island com a sensação de dever cumprido.

Na madrugada, chega um recado para Tommy. Era Baker, que dizia:

 “Ei, aqui é o Mitch! Você fez muito bem, Tommy! É muito bom ter a minha garota de volta. Pode dizer a Kent Paul que ele terá a segurança para o show. Você tem minha palavra! Tome cuidado por aí!”.

Era o que se precisava para garantir uma boa noite de sono.

Nenhum comentário:

Postar um comentário